NOTÍCIAS



17/6/2020

Mais consciência ambiental, consumo responsável e economia circular devem ganhar força no período pós-pandemia



Adotar economia circular e não linear, consumo responsável e menor geração de resíduos devem fazer parte de novo cenário sustentável para o meio ambiente, segundo Profª. Dra. Marta Tocchetto, doutora em Engenharia e com vasta experiência na área ambiental.

A sustentabilidade ambiental é assunto chave de sobrevivência. Mas, o grande desafio é equacionar três aspectos: social, econômico e ambiental, sem sobrepor um ao outro. Além disso, a abordagem linear não é sustentável em um planeta finito. “É preciso substituir a economia linear por circular, que é baseada na extração crescente de recursos naturais, fabricação de produtos e descarte dos resíduos, pela economia circular, onde todos os produtos podem ser reprocessados e reaproveitados em novo ciclo”, afirmou Profª. Dra. Marta Tocchetto, doutora em Engenharia e com vasta experiência na área ambiental, em palestra organizada em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho), no “Programa Filtra Ação”, canal de conteúdo online da Abrafiltros – Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas – Automotivos e Industriais e das revistas Meio Filtrante e TAE. Segundo Marta, esta é a forma não só das empresas, mas também das pessoas terem um novo olhar pós-pandemia. 

Para ela, o consumo deve ser responsável. É importante reciclar, reutilizar e reduzir resíduos. Mas, mais que isto, é necessário repensar o modo de vida e não gerar tantos resíduos.

Durante sua apresentação, Tocchetto citou os efeitos da pandemia sobre o meio ambiente, como a melhoria da qualidade do ar, redução de dióxido de carbono, maior espaço para a vida selvagem e destaque para o comércio ilegal de animais. No entanto, para ela, não houve alteração na crise climática e na geração de resíduos. 

No Brasil, disse que as políticas ambientais não estão sendo implantadas adequadamente, que pode ser provado pela maior área de desmatamento da Amazônia, elevação do número de queimadas, liberação de novos agrotóxicos e encerramento de bases do projeto Tamar. “Se ao término da pandemia, voltarmos à normalidade anterior, voltamos ao preocupante estágio predatório. O momento é importante para refletir. É possível reformatar processos, transporte coletivo, reduzir emissões de poluentes e de geração de resíduos, entre outras atitudes para harmonizar o Planeta”, concluiu.

Ao final da apresentação, João Moura, presidente da Abrafiltros ressaltou que a associação, antes da legislação ambiental entrar em vigor, já tinha a preocupação e consciência sobre a reciclagem de filtros do óleo lubrificante automotivo. “Antes mesmo de a lei vigorar, fomos à secretaria, propor um projeto-piloto de descarte do filtro usado do óleo lubrificante automotivo, o que hoje é uma realidade através do Programa Descarte Consciente Abrafiltros, que em parceria com as empresas participantes, já ultrapassou a marca de 17 milhões de filtros reciclados”, disse Moura, demonstrando a relevância do tema preservação do meio ambiente.  

Para acessar o conteúdo na íntegra da palestra, basta entrar no canal TV Filtros no YouTube.

Mais informações sobre os próximos programas podem ser solicitadas através do email eventos@abrafiltros.org.br e estarão disponíveis nas redes sociais da Abrafiltros e das Revistas Meio Filtrante e TAE.
 
Sobre a Abrafiltros:
Criada em 2006, a Abrafiltros – Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas – Automotivos e Industriais – tem a missão de promover a integração entre as empresas de filtros e sistemas de filtração para os segmentos automotivo, industrial e tratamento de água e efluentes – ETA e ETE, representando e defendendo de forma ética os interesses comuns e consensuais dos associados.

Mais informações:
Verso Comunicação e Assessoria de Imprensa
www.versoassessoriadeimprensa.com.br

associados