Filtros de cabine para ar condicionado


Os filtros de cabine ou anti polén, são filtros que separam contaminantes externos do ar que entra no habitáculo (local de colocação do filtro) do veículo. Esse filtro é importante para preservar o bom funcionamento do sistema de ar condicionado bem como impedir a entrada de contaminantes, evitando que estas partículas se depositem no evaporador e com a presença de umidade gerem mofo e fungos. 
Estão localizados no sistema de ventilação dos veículos, sejam eles leves, utilitários, pesados, agrícolas, industriais ou equipamentos de construção. Apesar de terem estreado nos automóveis em 1939, esses filtros se popularizaram principalmente a partir  de 1990. Podem equipar veículos com ou sem ar-condicionado e com sistema climatizado. Sua função é reter todo tipo de detrito que entra pelo sistema de ventilação do automóvel, partículas de poeira, folhas, fungos e bactérias.
“O uso do filtro de cabine não está relacionado ao fato de o veículo ter ar condicionado, como muitos imaginam. O simples acionamento do sistema de ventilação faz com que o ar passe pelo elemento filtrante. E para aqueles que têm ar condicionado, ele melhora seu desempenho, filtrando o ar durante a passagem para dentro do veículo e evitando causar o embaçamento dos vidros internos. Por isso a recomendação da sua troca é importante durante a revisão e manutenção veicular” – explica André Gonçalves, consultor técnico da Mann-Filter.
O consultor destaca ainda que existem basicamente dois tipos de filtros de cabine disponíveis no mercado. O convencional e o de carvão ativado. Todo carro, independentemente de ter ar-condicionado ou não, pode ter este filtro instalado. Alguns aceitam os dois tipos, outros aceitam apenas um deles, mas é fato que necessitam de atenção e cuidados.



De acordo com Ronilso Toledo, supervisor de assistência técnica da Sogefi, o filtro de cabine age para reter as partículas contaminantes que entram no interior do veículo. Principalmente nas grandes cidades, esses poluentes costumam afetar a saúde de motoristas e passageiros, ocasionando dores de cabeça, náuseas, reações alérgicas e asmáticas, entre outros problemas.
São produzidos com fibras especiais carregadas eletrostaticamente. De um lado, suas camadas contam com um pré-filtro, capaz de reter as partículas maiores. Do lado oposto, possui uma camada de proteção que evita qualquer dano ao filtro. Essa união proporciona à estrutura do filtro um aumento de densidade do lado limpo da peça.
Combinando a filtragem mecânica com a força magnética, um filtro de cabine é capaz de reter quase 100% das partículas nocivas ao ser humano. Nas versões com carvão ativado, também impedem a passagem de gases poluentes e odores, melhorando ainda mais a qualidade do ar dentro do veículo e, consequentemente, o conforto dos ocupantes.
“Os filtros de cabine são os filtros mais importantes para a segurança dos ocupantes do veículo, pois são esses filtros que servem como barreira física para os contaminantes e poluentes que estão no ar fora da cabine”- destaca Renato Fontana, gerente de negócios da Filtros Mil. Ele explica ainda, que esse é o principal filtro no cuidado com a saúde dos ocupantes, pois ele retém os contaminantes do ar de fora do veículo, diminuindo o contato com tais poluentes. Dessa forma evita problemas respiratórios como renite alérgica, asma, bronquite causadas por alergias.


Como funcionam e principais cuidados
A mesma preocupação em proteger o motor do carro também deve ser com o ambiente e o ar que circula dentro do veículo para proteger a saúde das pessoas, condutores e passageiros. O responsável por essa proteção é o filtro de cabine, ele ajuda a manter o bom funcionamento do ar-condicionado e o nível do fluxo de ar, impedindo a proliferação de bactérias e fungos causadores de maus odores e até evitando doenças respiratórias.
Marcello V. Bernardini, representante da Central dos Filtros, explica que os filtros de cabine funcionam através de filtração mecânica, ou seja, retenção de partículas sólidas por fibras sintéticas de tamanho microscópico. Ao ligar o sistema de ar de cabine, o filtro deixa passar apenas o ar limpo, impedindo a passagem de diversas bactérias, poeira e fungos. 
O filtro é adicionado no habitáculo, que está no sistema de circulação de ar para o interior do veículo. O ar de fora entra pelos dutos de ventilação passando pelo habitáculo onde está posicionado o filtro, que retém os contaminantes do ar externo, não deixando esses contaminantes entrarem no interior do automóvel.
De acordo com Eduardo Fischer, representante da Mahle, sua ação é impedir a entrada de contaminantes melhorando a qualidade do ar para os ocupantes do veículo e preservando a eficiência de alguns componentes do sistema de ar condicionado. Normalmente é instalado próximo ao evaporador impedindo que resíduos sólidos bloqueiem a passagem de ar pelas aletas de alumínio deste componente, mantendo sua eficiência e longevidade.


A substituição deve ser feita seguindo as recomendações do fabricante, geralmente junto com a troca dos outros filtros do veículo. Para eliminar odores do sistema de ventilação recomenda-se também a higienização do habitáculo com ozônio para matar fungos e bactérias. Para ele, essa boa prática ajuda a manter o sistema de ventilação sempre em boas condições de operação, resultando um fluxo de ar ideal e agradável para os ocupantes.
Todo tipo de estofado onde se acomodam pessoas acabam infestados de ácaros e isso é um processo natural, pois ácaros se alimentam de células mortas que são dispensadas aos milhares diariamente. Estes ácaros, por sua vez, são causadores de doenças respiratórias, principalmente, alergias. Bernadini explica que eles infestam o estofamento, forro de teto, forro de porta e carpete dos veículos. Nos dutos, evaporadores e todo sistema de ar podem se proliferar colônias de fungos gerados pelo deposito de poeira. A higienização elimina estes agentes através da nebulização de produtos bactericidas ou gás ozônio, mais conhecido como oxi sanitização, além de esterilizar a cabine do veículo e todo sistema de ar condicionado.
Diferentemente dos outros filtros, a troca periódica do filtro, depende muito por onde o carro percorreu, tipos de estradas, regiões (rural ou cidade) e quilometragem. Já em carros sem filtro ou com o sistema de ar-condicionado muito sujo, a higienização comum não será suficiente para manter a qualidade do ar, será preciso desmontar o painel do carro inteiro e retirar as peças para limpar.
“Quando o filtro está muito impregnado de sujeira ele começa a resistir ao fluxo de ar e permite a proliferação de fungos e bactérias que podem provocar doenças respiratórias. Geralmente recomenda-se a substituição dos filtros de cabine e ar condicionado entre 15.000 e 30.000Km, ou 6 meses, mas sempre levando-se em conta o ambiente em que o carro circula” - destaca Ricardo Ribeiro Araújo, representante da Tecfil.  
O filtro entupido e saturado prejudica o funcionamento do ar-condicionado, reduzindo o fluxo de ar para a cabine, permitindo a passagem de bactérias e outros elementos patogênicos que se alojam nas tubulações, onde se reproduzem. Quando fica muito sujo, o filtro não deixa passar nada, nem o ar. Caso um motorista esteja acostumado com o vento no nível 2 precisará colocar no nível 3 ou 4 para ter o mesmo efeito. Isso é um indício de saturação, ou seja, está na hora de trocar. 
“O motorista que deixa de trocar para economizar com certeza está fazendo uma economia burra, é incompreensível querer proteger o motor de um carro e não proteger a própria saúde. Além disso, a troca traz mais economia e evita aborrecimentos como problemas com ar-condicionado, aumento de gastos com combustível e com consultas médicas” - completa Fang C., diretor da Seineca. Ele destaca ainda que uma maneira de preservar o filtro é utilizar a recirculação do carro e verificações periódicas para observar a cor em que o filtro se encontra.


De acordo com Fontana, a manutenção desses filtros é muito simples e rápida de ser feita na maioria dos veículos, podendo ser realizada até mesmo pelo proprietário do veículo, sem a necessidade de um mecânico especialista. Primeiro deve se identificar no filtro a localização do habitáculo, em seguida é só identificar a posição do habitáculo no veículo e realizar a troca do filtro. 
“Caso a troca não seja feita no período correto o sistema de ar condicionado pode sofrer uma diminuição na vazão de ar dentro do veículo, pois com a saturação do filtro a passagem do ar fica limitada. Com a saturação o filtro pode sofrer danos e possibilitar a fuga de ar contaminado para dentro do veículo, o que acarreta em problemas respiratórios aos ocupantes, pessoas que tem renite tendem a sentir os efeitos de forma mais rápida e acentuada”, completa o especialista da Filtros Mil. 
É preciso respeitar rigorosamente os intervalos de troca e até abreviar essas manutenções caso os veículos sejam expostos a regimes severos, como áreas com muita poeira ou poluição excessiva. Toledo explica que além disso é preciso realizar uma limpeza em todo o sistema de ventilação e climatização periodicamente, para que não fiquem acumulados contaminantes e fungos nos dutos ou outros componentes do sistema.
Os filtros de cabine não geram danos diretos ao veículo, ao contrário de uma falha num filtro de ar ou óleo, que poderia comprometer o motor, por exemplo. Porém, se estiverem saturados, pode provocar uma deficiência no sistema de ventilação, além de expor os ocupantes a uma série de poluentes que poderão acarretar problemas respiratórios.
“Os principais indícios de que o filtro do ar para cabine e ar condicionado está saturado são: odor desagradável e contínuo, aspiração de vapores inoportunos e de difícil eliminação, restrição na entrada do ar para cabine, sensação de ambiente carregado e perda da eficiência do ar condicionado”, enfatiza Araújo. 

Mercado e principais novidades 
O mercado de filtros de cabine é bem dinâmico e está em alta. De acordo com Toledo, atualmente chega a ser impensável lançar um novo veículo sem esse componente, o que nos gera uma demanda frequente por novos produtos e pesquisas avançadas. A linha de filtros de cabine foi uma das prioridades de investimento, em capacidade de produção e inovação tecnológica, da nova fábrica da Sogefi em Jarinu (SP), inaugurada em 2015. 
A grande meta da Sogefi é desenvolver novos filtros de cabine ainda mais avançados, considerados como uma “terceira geração” (os filtros convencionais seriam a “primeira geração” e os filtros com carvão ativado a “segunda geração”). Esses produtos usam novas mídias filtrantes desenvolvidas com alta tecnologia, inclusive conceitos de nano filtragem. Além de reter partículas e filtrarem odores com altíssima eficiência, possuem ação bactericida e outras propriedades antialérgicas. 
“Esses novos filtros de cabine estarão cada vez mais presentes nos veículos do futuro, sejam eles movidos com combustíveis tradicionais, biocombustíveis, eletricidade, hidrogênio ou sistemas híbridos”, completa o supervisor. 


Para Bernadini, o mercado de filtros de cabine continua em ascensão, afinal a frota nacional só aumenta, e a gama de veículos com ar condicionado também. Os avanços em tecnologia nos filtros de cabine estão por conta dos tipos de meio filtrante utilizados e no processo produtivo. Com relação aos tipos de meio filtrante, os melhores são em fibras de poliéster ou polipropileno. Ele apenas não recomenda o uso de meios filtrantes de base de celulose ou viscose. Ambos são de origem orgânica e podem entrar em decomposição servindo de criadouro para colônias de fungos ou bactérias, além do mau cheiro e rápida saturação em ambientes úmidos.
“Com relação à comercialização, noto um aumento expressivo da venda de filtros de cabine no comércio eletrônico. Quando comecei a fabricar filtros de cabine em 2002, era muito difícil encontrar algum proprietário de veículo disposto a trocar o filtro de cabine do seu carro. Hoje, esta prática é muito mais comum do que se imagina. A troca antes feita apenas por especialistas, hoje é comumente encontrada em trocas de óleo, postos de gasolina, auto centers, concessionárias, auto elétrico, etc”, explica. 
Como quase todos os veículos produzidos saem das concessionárias com o sistema de ar condicionado e consequentemente com o filtro, o mercado demandará cada vez mais filtros dessa natureza. De acordo com Fischer, a Mahle lançou recentemente um filtro com 5 camadas de filtragem chamado CareMetix®, que impede contaminantes tais como: mofo, fuligem e partículas finas, pólen, bactérias. Esta novidade garante também o benefício do combate a redução de odores durante a filtragem do ar.
Além disso, Fontana explica que as montadoras estão facilitando a localização e troca dos filtros pelos proprietários dos veículos, melhorando a condição da saúde dos ocupantes dos veículos. Com relação a novidades tecnológicas, a Filtros Mil lançou na metade de 2016 o primeiro e único filtro de cabine aromatizado do mercado. 
Após anos de pesquisas em laboratório, foi desenvolvido um processo de produção do filtro de cabine que aromatiza o filtro, o aroma é único e possui tecnologia de termo sensibilidade, ou seja, quando o filtro esquenta no interior do veículo ele liberar aroma e à medida que o filtro é resfriado pelo sistema de ar condicionado o aroma é inibido. O aroma utilizado é atóxico, o que permite as pessoas que tem sensibilidade a aromas utilizar o filtro.


Falando em mercado e novas tecnologias, de acordo com Golçalves, a Mann-Filter está sempre buscando aperfeiçoar os produtos. Os filtros da sua linha possuem tecnologia de ponta e atendem todas as exigências do competitivo mercado automotivo. A empresa desenvolveu uma tecnologia exclusiva para os meios filtrantes para fornecer o melhor produto disponível no mercado.
“Hoje mais pessoas estão preocupadas com a qualidade de vida e do ar que respiram, por isso vemos uma crescente procura na troca dos filtros de cabine. As novas tecnologias estão nas mídias filtrante, cada vez mais eficiente, realizando a retenção de vários tipos de gases nocivos à saúde”, completa o representante da Tecfil. 


Contato das empresas
Central dos Filtros: centraldosfiltros@gmail.com
Mann-Filter: www.mann-hummel.com

ASSOCIADOS

Conheça nossos associados